28 de Agosto, 2014

Elevação da Paróquia-Matriz à condição de Santuário Diocesano

Foi em meio a um clima contagiante de participação popular, envolvidos nas pastorais de romaria, do dízimo, familiar, do idoso, da infância missionária, do batismo, da catequese e da realização das santas missões populares que a igreja chegou e vive a sua designação de Santuário.

Na sua carta Pastoral de 02.02.2003, Romarias e Reconciliação, ao comunicar a elevação da Paróquia-Matriz à condição de Santuário Diocesano, D. Fernando Panico assim se referiu: “A Igreja Matriz da Mãe das Dores, em Juazeiro do Norte, lugar de veneranda celebração de todos os romeiros e romeiras do Nordeste, é agora elevada à dignidade de Santuário Diocesano. Acalentava também a esperança de comunicar solenemente nestes dias, Festa de Nossa Senhora das Candeias, o decreto pontifício da concessão do título de Basílica Menor à Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores, por mim já solicitado à Santa Sé em novembro passado. Infelizmente, tal decreto ainda não chegou de Roma.”

Talvez por isto, o pré-anúncio feito por D. Fernando, de que revelaria nesta data “o maior fato histórico deste século para todo o Cariri”, a elevação do Santuário Diocesano tenha merecido esta ampla especulação, até que viessem surgir as primeiras informações tornadas públicas pela administração do Santuário Diocesano de Juazeiro do Norte.

Como vimos, a crônica da cidade nos indica, com grande precisão, que este caminho teve um longo curso, de uns 181 anos. Chegamos hoje a esta consagração que demonstra, a todos nós, e em especial à Cúria Romana, o grande merecimento da fé e da religiosidade do romeiro destes sertões. 

Por: Renato Casimiro



comments powered by Disqus