“É preciso continuar a obra do Padre Cícero”, disse dom Edson Castro na missa em memória ao Patriarca do Sertão

20/06/2018 Por: Aline Salustiano
954 visualizações

Na manhã de hoje, 20 de junho, foi realizada, na praça da Capela do Perpétuo Socorro, a Celebração Eucarística em memória ao Padre Cícero Romão. A celebração foi presidida pelo bispo da Diocese de Iguatu, dom Edson Castro Homem e foi concelebrada pela equipe de padres da Basílica Santuário, padres diocesanos, Josefinos, Salesianos, Capuchinhos e padres romeiros.

Em suas primeiras palavras, dom Edson Castro recordou a obra e contribuição do Padre Cícero Romão como sacerdote no meio povo. “Estamos aqui para homenageá-lo e recordar a sua pessoa que tanto marcou essa cidade. Por isso estamos aqui, em sinal de reconhecimento e gratidão e até de veneração. As pessoas que são santas deixam uma marca. Quando se fala do Padre Cícero Romão se fala de um padre bom. Não se pensa no padre Cícero a não ser pela sua bondade e pelo seu sacerdócio”, disse.

Refletindo o Evangelho do dia (Mt 6,1-6.16-18), o bispo de Iguatu enfatizou o ato de dar esmolas que “Jesus fala que deve ser dada e valorizada, não diante dos homens, mas para que Deus veja e dê a recompensa”. Segundo Dom Edson a exemplo da passagem do livro de primeiro Coríntios (1Co 13, 3) e o Evangelho de Lucas (Lc 21, 1-4), Padre Cícero Romão ensinou, a partir de sua vida, a ajudar aos mais necessitados. “Padre Cícero nos ensinou a doar, e ele mesmo, foi um homem de doação.  Quantas pessoas vieram a ele, que sempre tinha um trocado, e além do trocado uma benção, e acima de tudo uma palavra”, completou.

No final de sua homilia, o bispo ainda abordou a primeira leitura retirada do Segundo Livro dos Reis (2Rs 2,1.6-14), colocando que assim como Elias passou o seu manto, símbolo de sua missão, para Eliseu, Padre Cícero também deixou a continuidade de sua obra para seus fiéis. “Muito interessante o texto do segundo livro dos Reis que apresenta Elias como se não tivesse morrido, ele foi arrebatado, ou seja, teve uma morte triunfal. E ele dá o seu manto a Eliseu, e assim a obra de Deus continua. Isso tem muita a ver com o Padre Cícero, porque ele continua vivo entre nós e é preciso cultuar essa presença com todo o seu significado. Cada dia 20 vivenciamos a expressão disso para todo o Ceará, para todo o Brasil e especialmente para a cidade de Juazeiro do Norte. Padre Cícero deu o manto a você e é preciso continuar a obra”, concluiu.

Devoção

Moradores da cidade de Juazeiro do Norte, das cidades circunvizinhas e romeiros que visitam o munícipio, acordam cedo a cada dia 20 para participarem da celebração. Muitos em agradecimentos por alguma graça alcançada pela intercessão do Padre Cícero Romão.

Dentre esses fiéis está o vendedor Johnson Santana, que mora há 16 anos em Juazeiro do Norte, e que após receber uma graça, não deixa de participar do momento. “Participo da celebração há 08 anos em agradecimento a uma graça alcançada. Todo o dia 20 estando em Juazeiro eu venho para a missa do padre Cícero, não estando na cidade, eu busco participar a partir dos meios de comunicação”, afirmou.

 



Galeria de Fotos: