Juazeiro do Norte se despede de Dona Rosinha do Horto

22/06/2018 Por: Aline Salustiano
2.304 visualizações

Em clima de profunda oração e solidariedade, o pároco da Paróquia de Nossa Senhora das Dores – Basílica Santuário, padre Cícero José da Silva, celebrou a missa de corpo presente de Rosalva da Conceição Lima, Dona Rosinha, durante a manhã de hoje, 22 de junho, no Centro Catequético Francisca Inês, localizado na comunidade do Horto, Juazeiro do Norte.

A missa, que foi concelebrada pelos padres Vileci Basílio Vidal, Sebastião Bandeira, José Ricardo, Antônio Romão e pelo diácono permanente Francisco Martins, reuniu a comunidade da Rua do Horto, familiares e amigos de Dona Rosinha.

Em suas palavras, padre Cícero José falou sobre a dor da perda de um ente querido e da certeza, em Deus, da vida definitiva na eternidade. “Diante da morte nós precisamos crê para acolher as graças que nos vêm do céu. Mesmo que alguém muito querido, como Dona Rosinha, tenha morrido nós nunca poderemos duvidar da força do amor de Jesus que quer nos salvar, nos dando vida nova”, disse.

O pároco da Basílica Santuário destacou trechos do Evangelho, em que Jesus uso o termo “Eu sou”, que expressam a sua relação de salvação com o mundo, e estabeleceu uma relação com a vida de Dona Rosinha. “Meus irmãos, Dona Rosinha fez um caminho indispensável para chegar ao céu com o ‘Eu Sou’ que dá a vida plena a todos os que vivem e creem Nele. Ela se alimentou com o ‘Eu Sou’ que é Pão da Vida. Viveu iluminada pelo ‘Eu Sou’ que é Luz do Mundo. Ela passou pelo ‘Eu Sou’ que é Porta das Ovelhas. Foi  apascentada pelo ‘Eu Sou’ que é o Bom Pastor. Ela sempre buscou o ‘Eu Sou’ que é Ressureição . Ela sempre seguiu o ‘Eu Sou’ que é Caminho, Verdade e Vida. E por fim foi aqui na terra e continua ligada lá no céu ao ‘Eu Sou’ que é a Verdadeira Videira”, concluiu.

Após o ritual das exéquias conduzido pelo padre Antônio Romão, a comunidade atenta ouviu as homenagens, momento marcado por várias recordações do trabalho missionário realizado por Dona Rosinha. Dentre as homenagens, a Coordenadora do Apostolado da Oração da Basílica Santuário, Marinalva falou sobre e entrega de Vida de Dona Rosinha como zeladora do AO.  “Nós, que formamos o Apostolado da Oração de Nossa Senhora das Dores, podemos dizer que estamos tristes pela partida de Dona Rosinha e alegres pelo exemplo que ela nos deixou. No Apostolado da Oração, Dona Rosinha serviu e viveu como Igreja, a exemplo de São Francisco, ela deixou casa e dava assistência a 42 associadas. Agora após a sua Páscoa, a comunidade do Horto deve dar continuidade ao trabalho de Rosinha como Sal da terra e luz do mundo”, enfatizou.

Ao som do sino da Capela de Santa Clara, o cortejo fúnebre saiu em direção ao Cemitério da Capela do Perpétuo Socorro. Os vizinhos e amigos de Dona Rosinha, prestarem suas últimas homenagens, ornamentando as portas de suas casas, com flores e imagens de Nossa Senhora das Dores e do Padre Cícero Romão, de quem tanto contou histórias.



Galeria de Fotos: